21 C
Santo Antônio de Jesus
quinta-feira, outubro 21, 2021

Bolsonaro cria lei para documento digital de transporte

Foto: Polícia Civil de Mato Grosso

O presidente da República, Jair Bolsonaro, sancionou o Projeto de Lei de Conversão nº 16, de 2021, da Medida Provisória nº 1.051, de 2021, que instituiu o Documento Eletrônico de Transporte.

A proposição tem como objetivo principal o estabelecimento do documento eletrônico obrigatório (DT-e). Este documento eletrônico consolidará o conjunto de documentos físicos necessários ou exigidos para as operações realizadas pelos diversos modais de transporte, visando desburocratizar, simplificar, reduzir custos, além de harmonizar, modernizar e ampliar a qualidade e a segurança nos serviços de transporte de cargas no País.

Será possível unificar diversos documentos exigidos do transportador no DT-e, tais como: todos os dados da carga, locais de origem e destino, informações sobre licenças, registros, condições contratuais, sanitárias, de segurança, ambientais, comerciais e de pagamento do valor do frete e dos seguros contratados, dispensando-se a versão em papel desses documentos.

Outro dado relevante refere-se ao tempo gasto para fiscalizar se o caminhoneiro (TAC) está cumprindo as exigências em vigor. Atualmente, por meio de uma fiscalização por amostragem, o caminhão chega a ficar seis horas parado para demonstrar que está regular. A instituição do DT-e vai permitir a utilização de meios de fiscalização eletrônicos com o veículo em movimento.

O emprego de tecnologia da informação nas operações de transporte, que não se restringirá ao modo rodoviário, mas também abrangerá os modos aquaviário, ferroviário, aéreo e dutoviário, proporcionará a formação de um importante banco de dados acerca da movimentação de cargas em território nacional.

Contudo, visando à adequação quanto à constitucionalidade e ao interesse público da propositura, o Presidente da República, após a manifestação técnica dos Ministérios competentes, decidiu vetar o dispositivo que estabeleceria a ampliação do benefício tributário relativo à Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins), o qual passaria a alcançar qualquer pessoa jurídica que contratasse serviços de transporte de carga, o que acarretaria em renúncia de receita sem que estivesse acompanhada de estimativa do seu impacto orçamentário e financeiro e de suas medidas compensatórias.

Outro ponto objeto de veto foi o dispositivo criaria obrigações para o Poder Executivo federal, a saber, a manutenção e a utilização de uma rede específica de apoio à fiscalização do transporte rodoviário de carga, em violação princípio constitucional da separação dos Poderes ao usurpar a competência privativa do Presidente da República estabelecida alínea ‘e’ do inciso II do § 1º do art. 61 da Constituição.
Assim, a medida representa um importante marco de modernização no setor de transporte, especialmente por facilitar o exercício da atividade profissional do caminhoneiro. A sanção presidencial do Projeto de Lei, assim, dá um passo importante na desburocratização e simplificação dos documentos necessários para o serviço de transporte de cargas no País.

Ver Matéria Original

Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Redes Sociais

954FãsCurtir
11,254SeguidoresSeguir
79SeguidoresSeguir
Santo Antônio de Jesus
nublado
21 ° C
21 °
21 °
98 %
0.3kmh
87 %
qui
29 °
sex
29 °
sáb
30 °
dom
33 °
seg
26 °

Últimas Publicações

error: Conteúdo Bloqueado!