29.6 C
Santo Antônio de Jesus
sexta-feira, outubro 15, 2021

CNA defende prorrogação do prazo nos leilões de biodiesel



A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) defende que o prazo para a nova modalidade de leilões de biodiesel entrar em vigor, dia 1º de janeiro de 2022, seja prorrogado.

O tema foi discutido em audiência pública virtual promovida pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), na sexta-feira, 8.

A ideia é obter subsídios e informações adicionais sobre a minuta de resolução que dispõe sobre o novo modelo de comercialização de biodiesel para atendimento ao percentual de mistura obrigatória na formulação do diesel B, nos termos da Lei nº 13.033/2014 e atendendo à Resolução nº 14/2020, do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE).

O presidente da Comissão Nacional de Cereais, Fibras e Oleaginosas da CNA, Ricardo Arioli, destacou que o biodiesel é fator estratégico para o desenvolvimento do agro brasileiro.

Segundo Arioli, o Renovabio – a Política Nacional de Biocombustíveis – vai permitir a remuneração dos produtores das matérias-primas de biodiesel, através dos CBios, incentivando a regularização socioambiental das propriedades e da forma de produção. Assim sendo, os produtores são interessados na transparência de todas as etapas da produção e comercialização do biodiesel.

“Estamos aqui para defender que o prazo da mudança seja prorrogado para que possamos entender melhor os impactos diretos e indiretos que um novo modelo terá sobre os produtores de soja, algodão, girassol, óleo de palma e outras matérias-primas utilizadas na produção do biodiesel”, afirmou.

Para Arioli, um dos principais impactos seria no Selo Biodiesel Social, programa altamente inclusivo para a agricultura familiar, principalmente na produção de soja, principal ingrediente gerador de biodiesel no Brasil.

“Analisar somente o preço de venda não faz jus aos inúmeros impactos positivos indiretos que a regularidade da produção e do uso do biodiesel traz para o nosso país”, disse.

Argumentos

O presidente da Comissão Nacional de Cereais, Fibras e Oleaginosas da CNA também apontou as vantagens geradas pela industrialização da soja no Brasil e o valor agregado através da produção de óleo e de farelo, o que tende a diminuir os custos de produção de carnes e, consequentemente, os preços para o consumidor brasileiro.

Foto: Secretaria de Energia e Mineração

Outro ponto citado por Arioli é que a intensificação da produção de carne de gado – via confinamentos e semiconfinamentos –, com a utilização do farelo de soja nas rações, é fator de preservação ambiental, pois diminui a pressão pela abertura de novas áreas para novas pastagens.

“Em estados como o Mato Grosso, o maior produtor nacional de soja e de carne de gado, não faz sentido trazermos óleo diesel para usarmos aqui, já que estamos sentados em um verdadeiro pré-sal de biocombustíveis. Mas o aumento da mistura de biodiesel ao diesel faz todo o sentido”, analisou.

O encontro contou com a participação de representantes da ANP, do Ministério da Agricultura e de associações e empresas do setor.

Ver Matéria Original

Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Redes Sociais

953FãsCurtir
11,254SeguidoresSeguir
79SeguidoresSeguir
Santo Antônio de Jesus
nublado
29.6 ° C
29.6 °
29.6 °
48 %
5.7kmh
100 %
sex
29 °
sáb
31 °
dom
34 °
seg
35 °
ter
35 °

Últimas Publicações

error: Conteúdo Bloqueado!